Cuidar da gestão financeira de sua joalheria é primeiro passo para crescer

Por Gabriel Moura

Dados do Sebrae SP mostram que a taxa de mortalidade de empresas no primeiro ano de atividade é 27%, e que 58% delas não ultrapassam cinco anos de atividade. Falta de planejamento, gestão ineficiente, problemas pessoais dos empresários, flutuações na Economia são algumas das causas que fazem com que uma empresa morra de forma precoce. E a gestão financeira também tem um elo forte com esse cenário.

Podemos considerar que uma empresa tem uma gestão financeira eficiente quando paga por seus compromissos e atende os resultados esperados por seus proprietários. Em sua joalheria, você tem acompanhado o desempenho financeiro e buscado atingir metas de crescimento? Damos a seguir algumas dicas que podem norteá-lo para melhorar seus resultados.

Um dos primeiros passos é manter um registro de informações financeiras – vendas, custos e despesas -, além de prazos de pagamentos a fornecedores e datas para recebimento de contas. Avaliar a quantidade de estoque e o valor dessa mercadoria é fundamental, pois quanto menor o estoque, melhor. Identifique onde estão os maiores custos da joalheria. O objetivo é tomar consciência de onde estão as maiores fontes de receita e de custos da empresa. Esse exercício pode trazer ideias incríveis de como melhorar.

Você já sabe quais são as principais origens das receitas da sua joalheria? Tenha em mãos informações sobre quais os produtos e serviços mais vendidos, como estão os preços praticados pela concorrência de sua região e concorrentes indiretos e até mesmo como sua empresa se relaciona com os seus clientes no ponto de venda, pela web, pelas mídias sociais e impressas. De acordo com as características dos seus consumidores, defina quais as melhores formas de se relacionar com eles para otimizar os pontos de contato e relacionamento com o cliente.

Baseado nas descobertas, deve-se definir quais variáveis serão trabalhadas e as que têm maior impacto no negócio. Identifique e defina as oportunidades de redução de custos da operação que não influenciarão a experiência do consumidor. Vale renegociar prazo de pagamento com fornecedores, dívidas com bancos e fornecedores, incentivar a vendas de produtos de maiores margens, incentivo a meios de pagamentos mais baratos e de investimento para melhorar a experiência do consumidor e as vendas.

Cada firma é um universo em si, por isso as soluções também variam de empresa para empresa. Mas há diretrizes que podem ajudar quanto as finanças da sua empresa:

1. Tomar consciência da sua situação atual
2. Ter os registros de todas as suas operações financeiras, ao menos as mais relevantes.
3. Entender a proposta de valor do seu negócio para os consumidores
4. Antes de cortar um custo, ver o impacto deste na experiência do consumidor
5. Se relacionar e buscar a ajuda de pessoas.
6. Criar poucas e boas soluções

Não tenha medo de testar e errar.

Não existem comentários ainda

Comentar

Seu email não será publicado