10 dicas para decidir e agir de maneira assertiva

Se decidir é importante, agir é vital e atitude é o diferencial

Por Leila Navarro

Você se considera uma pessoa indecisa? Sabe escolher de maneira rápida qual caminho seguir? Qual opção escolher? Nem sempre escolher por um caminho ou outro é uma tarefa fácil. Seja na vida profissional ou pessoal, diariamente nos deparamos com opções e decidir pela correta pode transformar-se num momento crucial. Decidir e não agir é a mesma coisa que não decidir! A decisão sem ação se torna apenas uma intenção e de boas intenções o inferno está cheio, não é mesmo? Se a vida é um mar de oportunidades, um oceano de possibilidades e um universo de incertezas, hoje, mais do que nunca, a vida nos obriga a sermos pessoas com rápida capacidade de decisão e sobretudo de ação. Se decidir é importante, agir é vital e atitude é o diferencial. Para ajudá-lo(a) a optar pela alternativa mais acertada, sem que você sofra conseqüências indesejáveis, vale refletir nas dicas abaixo.

1. O que eu realmente preciso?

Você deve aprender a distinguir se o que você quer é uma necessidade ou apenas um desejo. Você pode querer comprar uma grande variedade de sapatos, quando na verdade você precisa de um par de boa qualidade que não machuque seus pés. Pessoas bem sucedidas sempre suprem suas reais necessidades. Não ficam acalentando desejos.

2- Quais são minhas opções?

Esteja aberto para novos pensamentos em sua consciência e busque informações.

Somente conhecendo fatores externos que o cercam é que terá condições de fazer a melhor opção. Chegue ao máximo de 2 ou 3 alternativas para que seja mais fácil e acertada a decisão.

3. Procure antever o que pode acontecer a partir de sua escolha.

Use a imaginação para focar com grandes detalhes o que aconteceria se você agisse segundo cada opção. Veja o que acontece e sinta as conseqüências como se você já tivesse escolhido o caminho.

4. Questione-se.

Procure analisar se você pensou em todas as possibilidades.

Pense no melhor e no pior que poderia acontecer, além de prever  o que você faria nos dois casos. Como seria isso para você? O resultado de qualquer uma das decisões exerce um efeito dominó sobre nós mesmos e sobre os outros. Nossas vidas são moldadas por nossas decisões todos os dias.

5. O que minha decisão revela sobre minhas crenças?

A essência de suas crenças forma sua imagem, a sua identidade. Elas definem como você se sente com você mesmo e influenciam suas decisões através de seu subconsciente. Suas decisões espelham seus pensamentos, revelam (para você mesmo e para os outros) como você realmente se vê e enxerga o mundo.

6. Essas decisões estão de acordo com o propósito delas e com a minha missão pessoal?

Se você resolveu ter uma vida íntegra, por exemplo, se pergunte: A decisão que eu vou tomar é um “depósito” na minha “conta de integridade”? Cheque se o que você diz corresponde ao que você acredita e ao que você faz. Estar claro sobre quem você é e o que você faz permite que você tome boas decisões.

7. Estou acreditando na minha intuição?

Sua intuição é seu guia pessoal que lhe ajuda a sentir o que é certo para você. Para acessá-la, determine como você se sente em relação a decisão. Para a maioria das pessoas, a melhor maneira é sentar quieto, fechar os olhos e “meditar”. Você se sente calmo ou ansioso? Se você se sente estressado ou confuso ao focar nessa decisão, a sua sabedoria interior está mostrando que ela não está certa para você. Por outro lado, se você se sente bem, inspirado, é uma resposta positiva. Lembre-se de como você se sentiu quando tomou uma decisão bem sucedida. Deixe sua intuição te guiar.

8. Estou deixando o meu ego de lado e ouvindo meu “autopoder”?

Acessando sua intuição, você aprende o que está dentro de você, mas você tem que ir além para ter certeza que seu ego não está interferindo. Esse passo é muito particular e pessoal e você tem que decidir qual a melhor maneira de acessar seu “autopoder”. Algumas pessoas rezam, outras meditam, ‘conversam’ com a natureza ou perguntam ao seu poder interior e esperam que ele responda.

9. Eu realmente espero uma consequência positiva?

Geralmente nós sabotamos, inconscientemente, nosso próprio sucesso. Fazemos isso na intenção de nos proteger do medo, da dor ou da decepção. Tenha em mente que o pior erro que você pode cometer na vida é ficar o tempo todo com de medo de cometer algum erro, de arriscar e acreditar nos resultados positivos.

10. O que eu faria se eu merecesse mais?

Algumas pessoas minam seus esforços devido a uma crença inconsciente de que elas não merecem mais. Para ver se isso vale para você, dê uma olhada na sua vida. Você acha que parou em um certo nível do sucesso? Você tem um termostato interno que te “esfria” quando você ultrapassa sua “zona de conforto”? Muitos de nós resistem a idéia de que não nos deixamos ter mais do que achamos que merecemos. Se você acredita na sua decisão, coloque-se em ação. Pense nisso!

Não existem comentários ainda

Comentar

Seu email não será publicado