Público terá um dos maiores leilões de joias de todos os tempos

Os lotes incluem joias deslumbrantes do Império Mughal

Por Débora Rodrigues

O evento joalheiro do ano já tem data marcada: ocorrerá em junho, quando 400 peças das mais impressionantes joias, objetos e pedras preciosas da era Mughal estarão no leilão da Christie’s de Nova Iorque, no “Maharajas & Mughal Magnificence”. Os lotes abrangem 500 anos da arte joalheira e mostra a cultura das artes indianas do Império Mughal (fundada em 1526) e da época dos marajás até dias atuais.

Embora a Christie’s não divulgue estimativas de pré-venda, um porta-voz da casa de leilões disse em entrevista que a Christie’s antecipa que a venda pode ser classificada como um de seus leilões de joias mais lucrativos de todos os tempos. A expectativa é que supere, inclusive,  o leilão das peças de Elizabeth Taylor, que totalizaram mais de US $ 100 milhões.

Os lotes agora incluem colares significativos, como o Colar Imperial Spinel e um colar de riviera de diamantes contendo cerca de 200 quilates de pedras de Golconda que estavam na coleção do Nizam de Hyderabad. Outro destaque é o colar Espinélio Imperial, que vem do norte da Índia e contem espinelas datadas do início de 1600. A peça possui inscrições persas dos nomes dos governantes mongóis e datas de seis reinados.

O leilão também inclui ornamentos de turbante, chamados de sarpech, como o diamante e o espinélio. Há um sarpech particular do período entre 1800 a 1850 que apresenta dois espinheiros datados de 1607-1608 e 1633-1634 e está inscrito em persa com os nomes dos governantes mongóis Jahangir e Shah Jahan.

Também presentes hás pedras preciosas significativas, incluindo esmeraldas Mughal esculpidas, que variam de cerca de 10 quilates a mais de 200 quilates. A venda também inclui dois notáveis ​​diamantes: o Arcot II, um dos famosos diamantes Arcot cedidos à rainha Charlotte pelo Nawab de Arcot em 1700, e o “Mirror of Paradise”, um diamante de Golconda.

Complementando as peças históricas desse leilão de joias, há uma coleção de obras do século XX de grandes casas como Bulgari, Cartier, Janesich, Lacloche Frères, Linzeler, Mauboussin e Mellerio, além de criações contemporâneas de Bhagat e JAR.

Por exemplo, há a Gargantilha Patiala Ruby que a Christie’s disse ser um bom exemplo da influência ocidental no design tradicional de jóias indianas. Encomendado por Maharaja Bhupinder Singh de Patiala e criado pela Cartier em 1931, o colar de rubi, diamante e pérola representa o período de Mughal; o Marajá de Patiala foi um dos mais importantes clientes indianos de Cartier nas décadas de 1920 e 1930.

A Christie’s disse que ele costumava viajar a Paris com centenas de diamantes e pedras preciosas para que a Cartier pudesse criar joias que capturassem a mistura das duas culturas.

Há também a joia de pavão esmaltado e diamante de Mellerio que Meller comprou do maharaja Jagatjit Singh de Kapurthala, em 1905, durante uma de suas viagens a Paris.

Todos os lotes do leilão de jóias “Maharajas & Mughal Magnificence” vêm da coleção Al Thani, uma exploração privada de mais de 6 mil obras de arte abrangendo os tempos antigos até os dias atuais.

A venda apoiará as iniciativas em curso da The Al Thani Collection Foundation, incluindo exposições, publicações, palestras e patrocínios de projetos em museus ao redor do mundo. Antes da venda, os destaques do leilão serão exibidos em Londres e Xangai, dando início a uma turnê mundial que fará paradas em Genebra, Hong Kong e Nova York.

Não existem comentários ainda

Comentar

Seu email não será publicado