Anglo American corta investimentos e custos devido a impactos do coronavírus

 Por Zandi Shabalala

A mineradora global Anglo American informou um corte na sua projeção de investimentos para o ano de cerca de 1 bilhão de dólares, e disse também que reduzirá custos para suportar os impactos do coronavírus.

A exposição da Anglo à África do Sul, que responde por cerca de metade de seus lucros, forçou a companhia a cortar investimentos e reduzir custos depois que o governo impôs medidas de isolamento para diminuir o ritmo de propagação do vírus.

As medidas de isolamento foram a principal razão para uma queda de 4% na produção do grupo no primeiro trimestre, quando houve recuo na produção de platina, paládio, minério de ferro e diamante.

“As principais medidas de combate à Covid-19 e a incerteza econômica deverão resultar em atrasos tanto para a aprovação de projetos quanto para o comissionamento de determinados projetos em andamento”, disse a companhia. As operações na África do Sul estão agora rodando com 50% da capacidade, e a mineradora reduziu a projeção de produção em 2020 de carvão, platina, paládio, minério de ferro e diamantes.

No Brasil, por outro lado, a produção cresceu, com a mina Minas-Rio aumentando a produção em 31%, para 6,4 milhões de toneladas no primeiro trimestre. A Anglo disse que os investimentos serão reduzidos em cerca de 1 bilhão de dólares, para entre 4 bilhões e 4,5 bilhões de dólares.

A companhia também identificou reduções de custos de cerca de meio bilhão de dólares, acrescentando que ainda se beneficiou de moedas mais fracas nos países onde produz e com a queda nos preços do petróleo. Alguns cortes de custos virão de restrições a despesas discricionárias, menores despesas gerais e adiamentos em atividades de exploração, disse a Anglo em comunicado.

Fonte: Reuters

Não existem comentários ainda

Comentar

Seu email não será publicado