Jazida de ouro na Sibéria tem maior reserva do mundo, diz Polyus

A estimativa das reservas é um marco importante no desenvolvimento da mina

Por Bloomberg

O Sukhoi Log, localizado na região isolada de Irkutsk da Sibéria, foi descoberto por geólogos soviéticos em 1961 e estudado na década de 1970 (Imagem: Divulgação/Polyus)

Uma auditoria mostrou que o Sukhoi Log tem 40 milhões de onças de reservas comprovadas, segundo os padrões internacionais JORC, com teor médio de ouro de 2,3 gramas por tonelada, disse o diretor-presidente da empresa, Pavel Grachev. Isso significa que o campo – que responde por mais de 25% das reservas de ouro da Rússia – é maior do que o KSM Project da Seabridge Gold, no Canadá, e que o Donlin Gold, no Alasca.

“A estimativa das reservas é um marco importante no desenvolvimento da mina”, disse Grachev em entrevista de Moscou.

O Sukhoi Log, localizado na região isolada de Irkutsk da Sibéria, foi descoberto por geólogos soviéticos em 1961 e estudado na década de 1970. O governo há muito tempo considerava explorar o depósito e, em 2017, vendeu o campo em um leilão para a Polyus e uma parceira estatal, cuja participação foi comprada posteriormente pela mineradora.

A Polyus disse no início deste ano que teria como foco projetos menores e reduziria seu índice de endividamento nos próximos anos antes de desenvolver o campo. A empresa planeja anunciar detalhes sobre a produção esperada e o investimento no Sukhoi Log assim que um estudo de pré-viabilidade estiver pronto até o fim do ano. A empresa havia dito anteriormente que os custos poderiam somar US$ 2,5 bilhões, com produção anual total de cerca de 1,6 milhão de onças.

Embora o desenvolvimento de depósitos gigantes seja normalmente um processo longo e caro, o campo pode permitir que a Polyus aumente a produção anual em pelo menos 70%. Os preços do ouro aumentaram cerca de 60% desde a compra do campo e atingiram recorde em agosto, quando grandes quantidades de estímulo foram injetadas nas economias para aliviar os estragos da pandemia de coronavírus.

“Queremos mostrar que um projeto dessa qualidade e escala pode e deve ser realizado levando-se em consideração os melhores padrões ambientais, apesar do local de difícil acesso”, disse Grachev.

A auditoria mostra que, além das reservas economicamente lavráveis, a jazida conta com 67 milhões de onças de recursos totais frente a 63 milhões de onças estimadas anteriormente. Esse número pode aumentar após mais perfurações e estudos.

O principal investimento está previsto para começar em 2023. A Polyus já começou a gastar em infraestrutura para o projeto. Há também um plano de coinvestimento com o governo na reconstrução de um aeroporto local.

Fonte: MoneyTimes

Não existem comentários ainda

Comentar

Seu email não será publicado