Livro conta a verdadeira história da ladra de joias mais famosa do mundo

Elegante e simpática, Doris Payne chegou a roubar um anel de diamantes de 10 quilates no valor de US $ 500 mil

Gabriel Moura

A vida de Doris Payne passaria despercebida, não fosse o fato de que essa senhora já idosa tem várias histórias incríveis para contar sobre o mundo da joalheria. E foi assim que nasceu o livro inédito “Diamond Doris: The True Story of the World’s Most Notorious Jewel Thief”, que promete entreter e revelar como ela se tornou a ladra de joias mais famosa do mundo. A obra é lançada pela HarperCollins e escrita por Zelda Lockhart.

É impossível não ter curiosidade para saber como Doris Payne executava seus planos de roubo. Ela, que disse que aprendeu a roubar o melhor lendo Town & Country, revela nas páginas do livro recém-lançado pela Amazon desde sua infância vivida na Virgínia (EUA), como passou pela Era da Depressão até seus maiores assaltos, fugas de prisão e inúmeras outras aventuras mirabolantes. E sua história de vida está sendo transformada em um filme estrelado por Tessa Thompson.

Nascida filha de um mineiro de carvão em Slab Fork, Payne acabou indo morar em Atlanta, onde escreveu “Diamond Doris: a verdadeira história da ladra de jóias mais notória do mundo”.  São tantas histórias que mais pareceria uma novela, tamanha as reviravoltas. Mas essa é Doris. Foram seis décadas de roubo de joias. Os detalhes são dignos de admiração. Uma delas, revela como ela roubou um anel de diamantes de 10 quilates, no valor de US $ 500 mil, em uma loja em Monte Carlo, provocando uma caçada internacional. Doris escapou da custódia – duas vezes. De acordo com sua obra, ela teria 22 apelidos e cinco números do Seguro Social.

Suas façanhas pareciam resultar de uma compulsão incontrolável. Em 2017, aos 87 anos, ela foi flagrada por roubar US$ 86 em mantimentos no Walmart. Apesar de conter histórias fascinantes, a vida real de Doris foi trágica. Ela e a mãe foram vendidas pelo seu pai, mineiro de carvão, e seu primeiro roubo de diamantes foi ajudar a mãe a fugir do marido.

Sua vida de crime a levou à prisão. Ela teve dois filhos enquanto cursava o ensino médio, mas eles foram criados pelo pai. Depois de roubar milhões de joias,  nos últimos tempos ela morava nas ruas de São Francisco, vivendo como uma sem-teto. E por causa dela, muitas joalherias mudaram seus sistemas de segurança, colocando portas com sinais sonoros, seguranças, câmeras e até armas embaixo do balcão.

Doris costumava vestir roupas de alta classe, dizer ao joalheiro que ela tinha dinheiro para gastar e pedir que lhe mostrassem várias peças. Então, ela normalmente esperava até que o funcionário se distraísse e guardava algo no bolso. O atendente às vezes não sabia que estava faltando até que ela fosse embora. O livro não traz entrevistas com suas vítimas.

Em 2013, Payne roubou um anel de diamantes de 3,5 quilates, do El Paseo Jewellers em Palm Desert, Califórnia. O proprietário Raju Mehta disse que se sentiu “bravo e violado”, mas posteriormente isso acabou servindo de publicidade para sua loja! Todas as vezes que Doris era citada, eles mencionavam o crime. E ele teve sorte por rapidamente recuperar o anel e não ter que lidar com aborrecimentos de seguros. Mais tarde, a peça foi destinada a um programa social.

“Entendo que Doris Payne teve uma infância difícil que parece ter motivando-a a uma vida de crime”, disse Mehta em comunicado. “Espero que, doando o valor de venda do anel, possamos ter um efeito positivo em algumas jovens”. Na época, Mehta também comentou como foi fácil ser enganado pela ladra. “Ela era tão elegante, tão simpática, e depois me roubou bem na frente dos meus olhos. Dou crédito a ela, ela é boa em seu ofício”.

Não existem comentários ainda

Comentar

Seu email não será publicado