Os desafios do setor joalheiro frente à sustentabilidade

O designer Fernando Jorge chama a atenção do setor para as exigências de ética e transparência do novo consumidor de joias

Por Cláudia Santana

Orgulho nacional, Fernando Jorge levou o design da joia brasileira muito além das fronteiras do país. Suas criações com formas orgânicas e linhas fluidas conquistaram prêmios internacionais e a atenção de celebridades como Beyoncé, Anne Hathaway, Taylor Swift e Emilia Clarke. Apesar da carreira consolidada no mercado global, uma questão tem preocupado o designer: a sustentabilidade.

Radicado em Londres, Fernando fabrica suas joias no Brasil e tem sido questionado por seus clientes sobre a procedência e a ética na produção do ouro e das gemas. Em um bate papo com Carla Pinheiro, Vice Presidente do Instituto Brasileiro de Gemas e Metais Preciosos (IBGM), o designer falou sobre a sua carreira no exterior e deu um panorama sobre como o mercado vem se posicionando frente a esse tema.

“É crescente a preocupação com a sustentabilidade, principalmente entre os consumidores mais jovens. Eles têm cobrado ética e transparência em tudo, o que torna necessário refletirmos sobre a importância das certificações de origem dos materiais que utilizamos em nossas joias”.

1 comentário
  1. Muito boa entrevista e gostaria de fazer comentários a respeito de dois itens.
    Como o Fernando Jorge disse a legislação do Brasil é muito burocrática para o retorno de peça para conserto e não permite o Drawback para empresas no simples e isso é um limitador muito grande nestes casos.
    O segundo item é a respeito da rastreabilidade do metal. A legislação atual obriga a primeira venda para DTVM e isso encarece e perde a rastreabilidade, é preciso tirar esta exigência para que os fabricantes comprem diretamente do garimpo legal e escolha de quem está fazendo a melhor prática para fazer sua compra.

    Parabéns Fernando, você é um orgulho nacional.

Comentar

Seu email não será publicado