Os diferentes tipos de gemas

Informar corretamente as características dos materiais gemológicos é obrigação de todas as joalherias

Por Erica Mendes

Em geral, todos os materiais gemológicos comumente comercializados possuem definições e nomenclaturas indicadas em normas técnicas específicas nacionais, a exemplo da ABNT, e internacionais, como ISO e CIBJO. E, é obrigação das joalherias especificarem corretamente quais são os tipos que estão adornando a joia, tanto durante a venda quanto na emissão dos certificados de garantia.

Para auxiliar a equipe de vendas, preparamos um guia, baseado no Manual Técnico de Gemas editado e publicado pelo IBGM:

Materiais gemológicos naturais

São aqueles inteiramente formados pela natureza, sem interferência do homem. Os de origem inorgânica são os minerais e as rochas, e os orgânicos são os de origem animal ou vegetal.

Âmbar é uma gema natural orgânica

Gemas naturais

São denominadas gemas naturais as substâncias naturais orgânicas ou inorgânicas que, por suas características intrínsecas (cor, brilho, raridade, dureza e outros), são utilizadas, principalmente, como adorno pessoal.

Materiais ornamentais

São as rochas naturais ou os minerais utilizados, principalmente, para coleções, esculturas, decorações de interiores e como acabamento arquitetônico.

Gemas artificiais

São os exemplares criados e fabricados pelo homem, sem ter um correspondente na natureza.

Zircônia Cúbica é uma gema artificial

Gemas sintéticas

Também conhecidas como ‘gemas criadas em laboratório (lab grown)’, são os produtos cristalizados cuja fabricação foi ocasionada pelo homem independentemente do método utilizado. Suas propriedades físicas, químicas e estrutura cristalina correspondem essencialmente às das gemas naturais.

Gemas compostas

São corpos cristalinos ou amorfos, compostos de duas ou mais partes unidas por cimentação, ou qualquer outro método artificial. Seus componentes podem ser tanto gemas naturais, sintéticas ou artificiais, como também vidro.

A gemóloga do IBGM, Gracia Baião, chama a atenção para a prática indevida dos comerciantes de se atribuir nomes de gemas naturais e/ou de se criar novas terminologias incorretamente para as gemas compostas. “Não existe ‘esmeralda fusion’, por exemplo. Neste caso, trata-se de uma gema composta que nada mais é que um double (duas partes) coladas de vidro e quartzo”.

Gemas revestidas

São aquelas que sobre sua superfície se fez depositar por cristalização ou outros meios uma fina camada, colorida ou não, que pode ser ou não de igual composição química.

Imitações

São os produtos que imitam gemas naturais ou sintéticas. Denominadas de produtos de fantasia, são fabricados pelo homem no intuito de reproduzir o efeito óptico, a cor e/ou a aparência das gemas naturais ou sintéticas, sem possuir suas propriedades físicas, químicas ou sua estrutura cristalina.

Gemas reconstituídas

São os materiais produzidos pelo homem mediante fusão parcial ou aglomeração de fragmentos de gemas.

Gemas cultivadas

O termo cultivado refere-se aos produtos gemológicos produzidos pela natureza com intervenção parcial do homem. É o caso da pérola cultivada, gema de origem orgânica que foi produzida pela natureza com a interferência humana.

Pérola cultivada

Gemas simulantes

São todos os produtos gemológicos que não são naturais. Portanto, as gemas sintéticas, artificiais, revestidas, etc… são também simulantes.

Não existem comentários ainda

Comentar

Seu email não será publicado