Vendas de joias de diamante cresceram 4% no terceiro trimestre

Estatística é baseada em vários países

Débora Rodrigues

Em 2018, o mercado norte-americano de joias de diamantes cresceu 4% no terceiro trimestre em relação ao ano anterior, de acordo com uma nova pesquisa global de mercado de luxo divulgada pela produtora de diamantes russa Alrosa.

Embora o relatório não tenha divulgado especificamente as vendas dos EUA, os EUA representam com 90% desse número, segundo um porta-voz da Alrosa. De maneira geral, o mercado mundial de joias com diamantes também cresceu 4%. Isso é um declínio nos números do segundo e primeiro trimestres divulgados pela Alrosa. No segundo trimestre, sua pesquisa descobriu que as vendas mundiais subiram 5%, enquanto no primeiro trimestre aumentaram 7%. As vendas de joias de diamante na América do Norte mostraram um ganho de 5% em ambos os trimestres.

No terceiro trimestre, porém, as vendas desaceleraram em várias regiões, particularmente na Ásia-Pacífico, devido ao ambiente econômico geral da região. A China continua sendo o principal impulsionador de vendas na região, à medida que os varejistas nacionais se expandem no continente, segundo o relatório.

Na Índia, as vendas de joias com diamantes caíram, com o mercado passando por turbulências e mudanças significativas, disse o relatório. Os principais players estão tendo problemas para restaurar a credibilidade e manter a confiança dos compradores de que suas jóias com diamantes são autênticas. O país também viu um declínio nas vendas de jóias de diamante provocadas pelo enfraquecimento de sua moeda nacional.

O relatório da Alrosa baseia-se nos dados dos varejistas, bem como nas estatísticas de diferentes países. “O principal condutor do mercado mundial de joalheria de diamantes é os Estados Unidos, que têm registrado taxas de crescimento estáveis ​​ao longo do ano”, disse Dmitry Klimenko, chefe do departamento de análise do Centro de Projetos e Análises Estratégicas da Alrosa. “Isso aumenta a confiança do mercado. Na Ásia, a demanda do consumidor mostra um crescimento menos estável devido ao enfraquecimento das moedas nacionais em relação ao dólar dos EUA ”.

Não existem comentários ainda

Comentar

Seu email não será publicado