Case de sucesso

Veja a receita de uma joalheria para manter suas vendas em alta mesmo em períodos de estagnação e crise

Por Débora Rodrigues

Qual será receita para uma joalheria manter suas vendas aquecidas mesmo diante de um cenário de estagnação econômica e crise? A CEO da Kierge, Galina Pavlova, deu a receita de como se manter forte em períodos de retração de mercado. Nos últimos anos, a empresa fundada há 25 anos esteve entre as 100 melhores marcas de joalheria.

“Temos que fazer mudanças o tempo todo e tentar novas possibilidades. Apesar das dificuldades, não desistimos e continuamos a trabalhar muito”, disse a experiente joalheira. E segundo ela, para se ter sucesso é preciso também ouvir o mercado e ser versátil.

A empresa tem hoje mais de 60 funcionários, incluindo 28 artesãos, e continua fornecendo todos os tipos de serviços de joalheria para seus clientes. Anualmente, ela atende cerca de 9 mil pedidos exclusivos.

“Nós, em primeiro lugar, vendemos peças de joalheria tanto do nosso próprio design como dos melhores fabricantes mundiais, principalmente da Rússia, reunindo peças de estilos nacionais e clássicos, para qualquer gosto e ‘bolso'”, explica ela. As joias de ouro e pedras preciosas são vendidas em um andar da loja, que também traz uma vasta gama de produtos de prata – que se comporta bem nesse mercado agora, segundo Galina, incluindo as joias com diamantes de pequenas dimensões.

Outro diferencial é oferecer no mesmo espaço da loja principal um pool de troca, onde os clientes podem trocar peças de ouro e prata por joias novas. “Organizamos passeios: os hóspedes podem visitar nossa oficina localizada em um dos pavimentos onde joias de ouro ou prata podem ser reparadas ou feitas por encomenda usando pedras preciosas ou semipreciosas, incluindo diamantes”, conta a empresária. Ali, todo mundo pode tentar fazer uma peça de joia por conta própria e testar suas habilidades. E a tecnologia tem ajudado a personalizar cada vez mais as peças, e de forma mais ágil. “Temos a oportunidade de usar serviços como gravação a laser, manual ou artística e fazer qualquer inscrição ou mesmo retrato em uma placa de ouro ou prata”, relata ela.

Os estudantes da Universidade Federal do Nordeste, batizados com o nome de MK Ammosov e da Yakutsk Art College, têm sua prática aqui, onde os melhores professores do mercado joalheiro russo ministram palestras usando a base de produção da joalheria para melhorar sua qualificação. Em um edifício de seis andares, há ainda um salão de beleza e uma pequena sala de conferências (para até 60 pessoas) que pode ser usada como salão de eventos, e o café fica no andar superior.

“Fazemos o nosso melhor para usar todas as possibilidades para atrair pessoas e aumentar o número de visitantes e, consequentemente, o de vendas. E o que ela recomendaria para quem já tem uma joalheria? “Vender peças mesmo que pequenas, mas com diamantes. É sempre lucrativo. As joias com diamantes vendem melhor do que sem pedras. Qualquer peça cercada por diamantes parece ser mais interessante aos olhos do consumidor. O status é maior e seu valor também aumenta”.

Segundo ela, um diamante como qualquer outra gema tem uma magia maior sendo um mineral mais antigo que existe e mais raro e precioso. “Desde os primeiros tempos, acredita-se que ele mantém as pessoas a salvo de doenças, protege e ajuda a dominar os inimigos”, diz a joalheira.

Não existem comentários ainda

Comentar

Seu email não será publicado