Pesquisa aponta assédio na indústria joalheira

Estudo mostra como as mulheres têm sido tratadas pelo setor

Débora Rodrigues

A indústria de joias, como tantas outras, também passa pelos percalços do tema diversidade quando o assunto é o tratamento dado às mulheres. Recentemente, o jornal New York Times publicou um artigo que revelava a postura de uma famosa joalheria norte-americana, a Sterling Jewelry, de não promover ou proteger as mulheres.

Os resultados da primeira pesquisa do Projeto de Igualdade de Gênero da Women’s Jewelry Association (WJA), ressaltam o fato de que a indústria joalheira briga para alcançar a paridade de gênero. A pesquisa foi uma colaboração entre a WJA e a MVI Marketing, uma empresa de pesquisa de comércio e consumidores que trabalha exclusivamente para as indústrias de gemas, joias e relógios. Foram consultados 586 profissionais do setor – dos quais 240 eram funcionários, com 90% de mulheres; e 346 proprietários, dos quais 230 eram mulheres – para comentar sobre as práticas no local de trabalho.

Os resultados da pesquisa, de acordo com uma declaração da WJA, “mostram que funcionários e proprietários relatam uma percepção muito diferente sobre quase todos os tópicos relacionados ao gênero no local de trabalho, indicando a necessidade de educação e apoio para ambos os grupos”.

Além disso, os funcionários tendem a pensar que os tópicos que dizem respeito ao gênero são “extremamente importantes” com mais frequência do que os empregadores, de acordo com a declaração. O documento mostra que muitos funcionários relutam em relatar ocorrências de discriminação de gênero a seus chefes porque temem um impacto negativo em seus empregos ou outra retaliação.

Outras descobertas importantes da pesquisa foram que:

49% dos funcionários relatam ter testemunhado ou estão cientes da discriminação baseada no gênero, em comparação com 7% dos proprietários.

16% dos funcionários dizem ter sido vítimas de avanços sexuais indesejados, mas apenas 3% dos empregadores receberam reclamações.

30% dos funcionários dizem que são privados de oportunidades iguais de promoção devido a questões relacionadas a gênero, mas apenas 2% dos proprietários relatam que receberam reclamações.

50% dos funcionários relatam estarem sujeitos a um ambiente de trabalho hostil relacionado ao gênero (inclusive em feiras comerciais), mas apenas 9% dos proprietários relatam que receberam reclamações.

38% dos funcionários participantes dizem que foram afetados pela disparidade de remuneração relacionada a gênero, mas apenas 2% dos proprietários dizem ter recebido reclamações.

23% dos funcionários dizem ter sofrido assédio sexual, mas apenas 5% dos proprietários relatam receber reclamações.

Como resultado, o Projeto de Igualdade de Gênero da WJA, que é financiado em parte por uma doação do JCK Industry Fund, planeja atuar nesses resultados. A organização possui vários projetos em andamento, incluindo treinamentos e materiais dirigidos ao esclarecimento de empregadores e funcionários.

E com relação às políticas de Responsabilidade das empresas? A pesquisa mostrou que como os funcionários de empresas de menor porte têm “muito menos probabilidade do que funcionários de grandes empresas” de entender políticas empresariais relacionadas a gênero (92% dos funcionários de empresas com mais de 1.000 funcionários conhecem as políticas da empresa, enquanto apenas 48% dos funcionários de empresas com 1 –5 trabalhadores os conhecem), a WJA também se concentrará em fornecer “educação e apoio a proprietários e funcionários de pequenas empresas”.

E a organização também planeja oferecer treinamento em habilidades de negociação em resposta aos 30 indivíduos pesquisados ​​que disseram ter sido “privados de oportunidades iguais de progresso” e os 38% que afirmaram terem sido afetados. por disparidade de remuneração baseada em gênero.

Não existem comentários ainda

Comentar

Seu email não será publicado