Vicenza Jewelry Museum inaugura coleção permanente

Amantes da joalheria poderão conferir a história dessa arte através de peças icônicas

Débora Rodrigues

O italiano Museo del Gioiello de Vicenza é um dos poucos no mundo exclusivamente dedicados à joalheria. E agora, ele inovou mais uma vez ao abrir uma nova coleção que estará em exposição até o final de 2020, dentro da Basílica Palladiana de Vicenza.  

A coleção conta com 310 obras-primas únicas, exclusivas e de valor inestimável. A mostra é um relato original e inédito da história da joalheria através de uma mistura de contemporaneidade, sugestões vindas do passado e projeções para o futuro que vêm principalmente de coleções particulares inacessíveis.  

A nova edição conta com nove curadores de renome internacional, cada um deles tendo dado sua própria interpretação de joalheria em suas respectivas salas temáticas. A eles foi dada a missão de interpretar a extraordinária área expositiva da Basílica Palladiana.

São nove salas para nove significados de joias entre eras, geografias e origens: joias definidas como símbolo, magia, função, beleza, arte, moda, design, ícone e futuro, cada uma, na nova edição, confiada a um curador. Pascale Lepeu, diretor da coleção Cartier há mais de 30 anos, selecionou os itens para o espaço Símbolo que abriga extraordinárias joias capazes de ilustrar o poder simbólico dos ornamentos, enquanto Cristina Boschetti, arqueóloga e pesquisadora do CNRS Orléans, instituto IRAMAT, foi encarregada da Magic Room em meio a amuletos e talismãs de proteção, jóias com poderes propiciatórios para afastar as más influências.

Para a Sala de Funções, Massimo Vidale – professor de Arqueologia da Universidade de Pádua – decidiu focar na função comunicativa das joias exibindo selos, joias de guerreiros de diferentes culturas e anéis e pingentes usados pelos rappers, elementos que ajudam a construir e transmitir a identidade da pessoa que os usa.

O Beauty Room contém uma interpretação de Patrizia di Carrobio, especialista em diamantes em Nova York. Em sua opinião, a joalheria transfere beleza para quem a admira. O tema é brincar com uma mistura fascinante de valores onde as joias de alta qualidade se misturam.  

Marie-José van den Hout, a famosa gerente de galeria holandesa, fundadora da Marzee – a maior galeria independente do mundo – é responsável pela Art Room. O tema é ouro e a história se desenrola através dos processos de experimentação de artistas internacionais que não tiveram medo de levar a criatividade e a experimentação ao limite, alcançando resultados surpreendentes.

No Fashion room, sob a curadoria de Chichi Meroni, a alma criativa de Arabesque, a loja de culto no centro de Milão e um popular wunderkammer de bijuterias, moda e design de meados do século, o visitante é acompanhado em uma jornada durante a qual, permitindo-se ser transportado pelas bijuterias criadas para a moda entre os anos 1920 e 80, vai atracar em nove ilhas na história da “bijoux de couture” e seu vínculo com as sete artes maiores que, nesta sala, vai finalmente incluir moda e design. A própria Alba Cappellieri é a curadora da Sala de Design dedicada aos “designers sem design”, ou seja, àqueles que nunca exploraram qualquer outro produto além da joalharia.  

O Icon Room está sob a curadoria de Gabriele e Emanuele Pennisi, os principais joalheiros e antiquários de Milão, especializados em joalheria antiga. A seleção dedicada à Europa contém preciosidades que datam do século XVII ao século XX: das montagens extraordinárias dos anos 1800 ao requintado artesanato das joias em esmalte aos retratos de pessoas famosas.

A última sala, dedicada ao Futuro, é de responsabilidade da estilista internacional Olga Noronha. Suas opiniões de joalheria no futuro incluem perspectivas variadas e multidisciplinares.

O Museo del Gioiello oferece uma visão de uma “área museológica” utilizável e multifuncional que integra uma variedade de projetos e torna-se um “Museu mutante” capaz de atrair visitantes com diferentes interesses e sensibilidades, algo que pouquíssimos Museus de Design internacionais são capazes. Ele é gerido pelo Italian Exhibition Group SpA (IEG) em parceria com o município de Vicenza.  

Não existem comentários ainda

Comentar

Seu email não será publicado