Diamantes ganham “passaporte eletrônico”

Gemas terão um vídeo personalizado mostrando sua origem

Gabriel Moura

Cada vez mais a tecnologia vai entrando no setor joalheiro e gerando novos produtos. A Alrosa acaba de anunciar uma nova abordagem de rastreabilidade de diamantes que oferecerá aos clientes uma visão detalhada da origem de seus diamantes por meio de um vídeo personalizado. Esses vídeos que acompanharão os diamantes estarão acessíveis em todos os dispositivos e também poderão ser compartilhados nas mídias sociais.

A empresa de mineração disse que começará a oferecer diamantes com um “passaporte eletrônico”, que incluirá informações sobre as características da pedra, sua idade, local e data de extração, quando e onde foi cortada, e o nome e antecedentes do artesão por trás dela. O vídeo mostrará a história visual do diamante, compilando automaticamente informações de bancos de dados internos.

“Proveniência é o sucesso de nossa indústria e seu futuro”, disse Evgeny Agureev, diretor de vendas da Alrosa, durante uma coletiva de imprensa para anunciar a proposta. A empresa disse que está procurando atrair uma geração mais jovem, enfatizando seu status de “não oriundo de zonas de conflito” e responsabilidade social corporativa.

A Alrosa é a mais recente de uma linha de empresas a anunciar um programa de rastreabilidade que, em última análise, é projetado para reforçar a confiança do consumidor final nos diamantes. Existem algumas plataformas blockchain – que acompanham os diamantes, do meu ao mercado – nas obras, incluindo o Tracr da De Beers, que agora está aberto a toda a indústria.

Desde o começo desse ano o Instituto Gemológico da América informou que está oferecendo um Relatório de Origem de Diamantes brancos e que se prepara para também dar o mesmo serviço aos coloridos naturais.

A especialista em solitário Venus Jewel, que também faz parte do Tracr e tem desenvolvido seu programa de rastreabilidade de mina a mercado nos últimos cinco anos, anunciou que sua certificação do Conselho de Joalheria Responsável inclui a primeira declaração de procedência auditada sobre a origem do diamante bruto e rastreabilidade de cada diamante polido que a empresa vende.

Os revendedores receberão informações sobre como acessar os vídeos que acompanham os diamantes que compraram e instruções sobre como passar essas informações para o cliente, segundo explicou a Alrosa. E futuramente, os consumidores finais poderão acessar os vídeos através de um portal on-line.

Não existem comentários ainda

Comentar

Seu email não será publicado