Esmeralda de 1,1 kg avaliada em R$ 9,42 milhões é encontrada na Zâmbia

Empresa responsável pela descoberta afirma que a pedra preciosa foi avaliada como “perfeita”: esmeraldas são consideradas mais raras que diamantes

O trabalho realizado pelo mineiro Richard Kapeta e o geólogo Debapriya Rakshit rendeu uma das maiores descobertas de pedras preciosas dos últimos anos: uma esmeralda de 1,1 quilo e 5,6 mil quilates foi encontrada em uma mina na Zâmbia, nação localizada na porção centro-sul do continente africano. A pedra, avaliada em 2 milhões de libras (o equivalente a R$ 9,42 milhões) recebeu o nome de Inkalamu, que significa “leão” na língua Bemba, que é falada em algumas regiões da Zâmbia.

A empresa britânica Gemfield, que é dona das minas onde a descoberta foi realizada, afirmou que a esmeralda possui um balanço de cores “perfeito” e alta claridade: consideradas mais raras que os diamantes, essas pedras preciosas são encontradas principalmente em regiões da Zâmbia, da Colômbia e do Brasil.

Os pesquisadores afirmam que as esmeraldas foram formadas há pelo menos 450 milhões de anos, quando o magma presente abaixo da crosta terrestre entrou em contato com uma determinada combinação de minerais existentes na Terra, com características particulares de temperatura e pressão.

A pedra preciosa será leiloada no próximo mês em um evento privado realizado em Cingapura, no Sudeste Asiático: os especialistas ainda não afirmaram quantas jóias conseguirão fabricar a partir do bloco de esmeralda, mas o número é considerado suficiente para abastecer o mercado de luxo europeu para os próximos anos.

Por incrível que pareça, essa não é a mais descoberta de uma esmeralda nas minas da empresa Gemfields: em 2010, mineiros e geólogos localizaram a Insofu (“elefante”, na língua local), que tinha 6,2 mil quilates. A esmeralda mais rara já registrada foi encontrada na Colômbia e tinha 7 mil quilates.

Fonte: Galileu
Não existem comentários ainda

Comentar

Seu email não será publicado