Joalheiro desenvolve porcelana mais forte que o aço para criar jóias

Inovador, Chan defende a ideia de que é preciso ser inovador, senão não teremos o amanhã

Por Débora Rodrigues

Wallace Chan é um joalheiro inovador que transcende os limites do design contemporâneo. Seus inúmeros sucessos nos últimos 45 anos incluem The Wallace Cut, masterização de titânio, uma tecnologia patenteada de jade, uma técnica de pedras preciosas inseridas dentro de pedras preciosas, o colar Secret Abyss e mais recentemente The Wallace Chan Porcelain. “Eu aprendo com a cor, a forma, a luz”, diz Chan, girando um bloco de turmalina na mão. “Quando você corta, quando você polonês, é como a música. A luz atravessa a pedra, reflete, e é como um balé.”

Desde que fundou o seu estúdio em 1974, o trabalho do artista tornou-se lendário devido à sua abordagem inventiva e meticulosa à escultura de pedras preciosas. Por exemplo, sua assinatura “Wallace Cut” é uma técnica complexa desenvolvida ao longo de vários anos, que permite criar imagens detalhadas dentro de gemas, produzindo um efeito tridimensional.

Em 2014, a gigante da joalheria de Hong Kong, Chow Tai Fook, convidou Chan para criar um colar luxuoso de mais de 11 mil diamantes, usando também jadeíte verde e as chamadas contas de jade branco. O processo de design levou uma equipe de 22 pessoas e 47 mil horas para encerrar, resultando em uma peça modular única que pode ser reconfigurada e usada de 27 maneiras diferentes.

Precisamos de inovação, diz Chan, citando influências de culturas orientais e ocidentais, filosofia, natureza e tecnologia avançada. “Se não arriscarmos, estamos apenas curtindo a arte de ontem, estaremos apenas curtindo o passado. Não haverá amanhã.”

Em sua oficina, Chan revela sua mais recente invenção: um tipo de porcelana que ele desenvolve há mais de sete anos. O material, que ele afirma ser cinco vezes mais forte que o aço em quantidades pequenas, do tamanho de uma joia, pode ser usado para fazer objetos usáveis. “Um criador não busca apenas obras efêmeras, mas criações que podem durar por toda a eternidade”, explica Chan, apontando os vários estágios da fabricação de porcelana em seu laboratório.

Primeiro, os componentes brutos são cuidadosamente misturados e aquecidos a uma temperatura consistente. Isso resulta em um disco branco de calcário que pode ser esculpido em anéis ou outros itens de joalheria. Essas formas inacabadas são então queimadas em um forno, antes de serem rigorosamente polidas, de modo que “a luz parece flutuar na superfície”, como diz Chan.A porcelana é então unida com acessórios de titânio que ajudam a definir as pedras preciosas.

A ideia de criar porcelana “inquebrável”, como é amplamente referida (embora Chan interponha que “tudo” é, em última análise, quebrável), pode ser rastreada até a sua infância. Crescendo em uma família pobre, Chan lembra que ele e seus irmãos só podiam comer com utensílios de plástico, enquanto seus pais usavam porcelana. Um dia, enquanto seus pais estavam fora, ele foi brincar com uma colher de porcelana e, acidentalmente, a quebrou em pedaços. Ele foi punido por isso, mas o incidente provocou uma vida de curiosidade em relação às propriedades da porcelana.

Depois de anos experimentando outros materiais e pedras preciosas, Chan continua retornando a este material, vendo-o como o epítome do luxo. “Para materiais tradicionais, depois de usar por um ano, seu brilho vai desaparecer”, diz ele. “Mas a porcelana é para sempre.”

“Dez, vinte, cem anos e ainda vai brilhar. E quando você o usa, você pode sentir sua intimidade”, acrescenta, demonstrando como, como um anel, o material parece abraçar seus dedos.

Chan ainda está no processo de refinar o material e as técnicas, mas ele diz que especialistas em odontologia, relojoeiros e designers de materiais expressaram interesse em sua invenção.”Eu quero mostrar o potencial e as possibilidades de um material tão gracioso, cultural e histórico para o mundo.”

Não existem comentários ainda

Comentar

Seu email não será publicado